Até 27 de Outubro, participa por e-mail, no passatempo "The Lingerie Restaurant", serão oferecidos 2 jantares duplos: um em Lisboa, e outro no Porto! Boa sorte!

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

A minha amiga FLOX



Bom dia a todos.

Agradeço os comentários, e-mails e os sinais de fumo e pombos correio que me têm enviado, a saber se estou bem. Resposta: sim, (ainda) estou vivo e ainda piso os meus pés nesta terra de santos.

Ao longo destes meses, a minha vida mudou… ganhei uma nova amiga (já voltamos a ela!).

Durante estas messes, a minha vida académica ficou estagnada. Curricularmente apenas possuo o Secundário completo. E mais > tive a trabalhar durante algum tempo num sitio (tendo assim duas atividades profissionais), porem e evidentemente, fui despedido.  Linha outbond, 6horas/dia e fazia uma média de 120 chamadas ao longo do dia… Mas, por falta de resultados comerciais, fui mandado embora. Se ao menos o produto a vender fosse bom… orgulho-me do trabalho que fiz – não mentia, cativava o cliente e dizia que a merda que vendia, era o ultimo copo de água do mundo!... Foi insuficiente. Depois de ter sido despedido, ainda fiz duas chamadas, mas não aguenta mais controlar a minha cara de “normalidade”. Tive que me ir embora. Ao longo desta temporada num call center, realço sapiências dignas de um ministro do futuro: sei o que é um headset e um cal back… sei fazer um contrato por telefone e aturar caralhadas e manter a “postura”. Tenho a noção, para meu primeiro emprego em call center, não tive assim tão mal. Pelo menos, não ia de pijama ou de fato de treino para lá, como certas pessoas iam – ia bem, sorridente e de bem com todos. Uma colega até chorou por eu ir embora… Tive pena, apesar de tudo, gostava daquele trabalho de merda.

Tenho pensado nestes últimos dias, que a minha vida é igual ao metro de Lisboa. Limitado, básico e com pouca cor; sujo no seu interior, mas sempre com supremacia celestial que dá aso a mais 3 novas estações, apesar de estar com dívidas abismais. Questiono, muitas vezes, a importância no metro nas nossas vidas. A beleza tecnológica que é andarmos de baixo de terra, feitos toupeiras e de, continuarmos com uma tão pobreza de espirito nas realidades sociais, com os pedintes que lá vagueiam, para receber uns cêntimos dos estrangeiros ou dos tugas misericordiosamente endinheirados. Alguns deles, mesmo cegos, tem a hábil sensação nos pés que os permite manter vivos, mantendo-os vivos da fornalha de Mordor.

No mês de Agosto não tive lá muito bem e consegui ir a um sujeito que me recomendou a amizade com uma certa moça, com um lendário passado masculino e famoso, mas que agora, desde que se transformou, faz as alegrias aos demais que usufruem do seu efeito milagroso. Seu nome? Ela é mundialmente conhecida e visto que não é assim tão barata. Tomo o genérico… e viva à Generis! Para além de a tomar todos os dias de manhã, dobrei a medicamentação (como diz a tia Maya) e tomo também à noite. Não dispenso de andar com um belo vitan, caso me dê uma coisinha má… Falo, pois tá claro, da Fluoxtina, para os amigos, simplesmente, FLOX!

Ela tem-me acompanhado nestes últimos meses, já vou na 3ª embalagem e sinto-me um pouco melhor. O sujeito que me receitou a FLOX, disse para passados 3 meses, voltar a ele ou a um colega… mas bem, suspeita-se que tenha de mudar de medicação, coisa que não me agrada, visto que não consigo tomar comprimidos… Assim, não vou a um colega.

A situação cá de casa, mantêm-se e cada vez pior, mas eu cá fico. As vezes saio, mas a minha mãe é quem mais sofre e já está a chegar o Natal e ela tá piorzita…

Quem diria, que duas linhas paralelas podem trazer tanta felicidade?! Chegar a horas para o trabalho, a tempo para apanhar outro transporte e, até mesmo, simplesmente passear vendo os tuneis velhos do Marques ou os novos de São Sebastião – Eis a antítese da modernidade contemporânea de Portugal empobrecido no século XXI! Duas grandes personalidades e com estações (temporais) tão diferentes e ambos, ressurtiram um país mergulhado em crise terrestre ou mentais. Eis os Salvadores do Portugal Iluminista e Medieval – mortos e enterrados. Mas, esquecem-se das maldades contra os Távora e do jovem-santo que era tido como divino em Portugal, mas não tão real como em terras de África muçulmana.

Fui, algumas vezes, a uma psico. Sinto necessidade de lá voltar, ela ajudava-me muito, mas… não tem dado para ir. Sinto necessidade de desabafar com alguém que não me julgue e que me queira entender, mas está difícil. Só encontro isso através daqui – do meu amigo e velho blogue, que me acompanha desde quase sempre. É ele que me despertou para uma vida existente em mim que não conhecia. Para isso, agradeço a todos vós que, de uma maneira ou de outra são meus amigos e eu amigo de todos vocês.

Mas questiono: Quão belo é um ponto final, feito por duas rectas continuas e infinitas até ao seu termo?! Quanta potência e vidas que por lá se perdem?! Quão magistral arte que completa o Ser! Sinto falta de consumir aquilo que mais amo. Sinto falta de apoderar-me e ganhar força para o meu dia-a-dia. Sinto falta da Arte Pagã e Religiosa em cada um de nós. Sinto falta de ir ao Museu Berardo e ao Museu de Arte Antiga. Quão diferente são as artes, mas  tão bem que completam o ser, mostrando-lhe a luz ao fim do túnel; mostrando uma realidade Tolkiana abismal e sedutora para os de mais. Mas de quem é a obra? Antes disso: a obra é de quem? De deuses, do pintor, da tela e dos pinceis ou da humanidade? A obra é de quem? Dos compradores, do pintor, de quem fez a tela e os pinceis ou da humanidade? De quem somos nós? Dos nossos pais, de quem nos ama, dos nossos amigos ou da humanidade? De quem és tu? De quem?? Comparando com a um Picasso ou um Rembrandt, o que os distingue é a época humana em que foi feita. As obras de ambos os artistas, são da humanidade – ela que as comtemple, que é para isso que eles foram feitos.

É tão sedutor e precioso Gollum, a beleza do que nos leva ao fim. O início de uma outra Era, o início de outra coisa que não esta, não é merecedor de tão malicioso e fúnebre nome – o fim. O início é belo, único e adorável. O início é de todos nós. Nós nunca terminamos nada, apenas, damos um início diferente às coisas. O fim está próximo, como diriam os Maias. Qual fim? Um novo início surgirá perante nós. Esse inicio não nós é imposto, é uma escolha nossa se o queremos aceitar ou não. Eu quero aceitar um início novo em mim, separando-me de tudo e todos, num simples acto misericordioso e eterno.

Tenho ideia, já há uns anos, de sair do País. Ir para outra realidade, que não esta. Espanha, Itália, Inglaterra, Brasil… Sei lá, mudar-me de ares. Fugir daqui e ir para um local tão único e só que não este. Ir para um Mundo diferente, que não existe. Um Mundo que não haja invejas, malicia ou mentiras. Necessito de algo maior. Algo que me entusiasme. Ter aquele emprego, deixou-me muito feliz, agora… a Faculdade está mais perra que um carril que já há duas décadas que não é usado, carril esse que, fez feliz muita gente e agora, é inútil e está a mais nesta Era – pronto para abete!

Chega agora o Natal, já fiz as minhas prendas de Natal. Poupei numa – do meu irmão, que este ano portou-se mal comigo e não leva prenda, porem, este ano dou mais e melhores presentes a pessoas que ainda nem conheço pessoalmente. Nunca fiz tal coisa, mas sinto que as merecem. Pagar o que comprei será difícil, mas não uma Guerra. Quando as pessoas merecem, acho que devemos dar o melhor de nós, depois, cabe a nós pagarmos o que compramos lol. Este ano, não sei porquê, quero comer muitos, mas muitos sonhos – de abobora, cenoura ou de farinha. Preciso deles para me aguentar mais um tempo, visto que estou em défice. Preciso de aventuras Hobit’us, que me façam levar este meu Mundo à Terra Sagrada.

Credo, escrevi tanto. Vá, tá na hora de tomar a minha bela FLOX e ir para a cama um pouco, a ver se me purifico perante tanta poluição imaginatória.


E, como diria o outro – Façam-me o favor, de serem felizes!

(como podem ver, já está aqui a minha dose para Janeiro lol)