Em Setembro, há NOVIDADES! Nova Parceria, Passatempos, e o início das inscrições de mais um evento da blogosfera portuguesa! =D

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Ano Novo, vida nova.

Antes de mais, bom ano. Espero que este Ano de 2013, vos corra da melhor forma possível e, que os vossos desejos, sejam todos concretizados! Que tenham um ano de muita felicidade e paz pois, tudo o resto, sendo mais ou menos, virá completar-vos na medida das vossas necessidades. Um ano de 2013 cheio de paz e Amor, pois, sem isto, nada se ultrapassa!

Eu percebi, já há muito tempo, que o sitio onde eu mais gosto de estar e, me sinto realmente livre e sincero é neste espaço. Aqui estão descritos pontos-chave da minha ténue vida por estes lados de Portugal.

A minha vida, anda sem quaisquer motivos de felicidade.

Tive uma relação que durou cerca de 5 meses. Relação essa que terminou. Houve motivos para acabar uma relação? Sim. De ambas as partes. Ambos erramos. Ambos não pedimos desculpa. Ambos fomos demasiados Homens para darmos a mão à palmatoria, quando assim teria que ser. Eu errei… ele errou… Não quero entrar naquelas fofoquices , de quem deu mais ou menos à relação. Ambos demos o que tivemos que dar. Provavelmente não dei o meu melhor, mas sei que ele também não o fez. O fim do namoro? Não vos posso apontar um motivo. Para o fim de uma relação, não pode haver um motivo, mas sim vários. Algo que foi a “gota de água”, foi o não respeito dos limites da privacidade d’O outro. Tou triste? Estou. Porque, apesar de saber que não havia mais condições para a continuação da relação, ele foi, efectivamente, a melhor pessoa que conheci até hoje. Amei-o e, amo-o. Ele é uma pessoa incrível, cheio de Amor para dar e receber, inteligente, mas… talvez não saiba os limites da privacidade. E eu… acreditei, até ao último momento, que tudo podia correr bem. Pedi aos deuses para nos darem calma e paciência, a ambos. Eles, não nos deram e tudo acabou. O Deus Cristão, teve mais que hipóteses para nos juntar e, não foi por desistência minha, apenas não posso aCREDitar num CREDO que não CREiO! Isso fará de mim um pecador? Talvez sim e por isso foi-me retirado alguém que gostaria que permanecesse na minha vida, como (talvez), o meu melhor amigo. Mas a vida, faz-se de percas e de ganhos. Nestes meses, ri, chorei, conheci-me e aprendi a conhecer. Lavei loiça e fui à praia. Fiz nudismo e dormi colado a ele. Tomei banho de imersão e queimei o arroz várias vezes. Apreendi que não sei cozinhar e que, gosto muito de preparar surpresas, mas, não gosto de as receber – detesto surpresas! Adoro banho de imersão, mas tenho de ser eu a temperar a água! Não posso chegar-me perto do fogão, se não…. Há merda!! Apreendi, que sabe bem dormir e beijar outra pessoa. Sentir que estamos protegidos e que, nada nos poderá fazer mal. Apreendi a respeitar as crenças que, não “respeitava”. Apreendi que não tenho vergonha de ser gay. Não tenho receio do que as pessoas possam dizer. Não tenho medo de ir fazer nudismo numa praia em Espanha, cheia de heteros e beijar. Gosto de fazer amor em altos berros e não gosto de agua nos olhos, quando tomo banho. Percebi que os preservativos de sabores são uma granda merda e que o Óleo de Amêndoas do “Continente” é óptimo para as massagens, mas… fazem doer os dedos, a quem a faz. Apreendi que, o abraço pode curar muita coisa e até, pode sarar a dor que sentimos dentro de nós, que as vezes, nem há motivo lógico para a termos. Apreendi que, uma relação faz muito bem a todos nós e o Sexo… é divinal! Apreendi que sermos beijados enquanto choramos, é o maior voto de confiança que podemos ter da outra pessoa e aí sabemos: Nada de mal nos pode acontecer porque estamos com Aquela pessoa!... Apreendi que há coisas ridículas e que, não poderei tolerar.
E o fim chegou.

A minha família… A minha mãe tem dois quistos. Para além daquele que tem na mama, agora tem um num ovário, quisto esse que aumentou de 5.5cm de Novembro para 6.2cm para Janeiro… O meu pai… já percebemos que ele vai sair de casa e que, provavelmente será ainda este mês.
O resto da família… mal falo com ela.

Em relação à minha vida profissional… trabalhei durante 2 semanas num Call Center, onde tinha Gay’s, Lesbica’s e, talvez, Bi’s e, alguns heteros lol Tive uma Superior lindíssima. Diria que, poderia ser actriz pornográfica ou entrar n’O Hobbit, como Rainha dos Elfos! Apreendi que, não estou preparado para muita coisa, entre as coisas, afastar-me das pessoas que gosto. Quando fui despedido, chorei que nem um parvo. Não por ter sido despedido, mas por perder a hipótese de continuar com aquela bela equipa, perder a rotina de “ir para o trabalho”… perder tanta coisa, não foi fácil. Foi óptimo trabalharmos num ambiente divertido e trabalhador. Ao telefone, ouvi histórias incríveis, nas quais uma que, tive perto de uma hora ao telefone: uma senhora que tinha ficado viúva há um mês e que, vivia muito mal. Apesar de ter sido uma chamada muitíssimo longa e hierarquicamente “incompreensível”, eu não conseguia desligar”-me”. Aturei bocas e falatório. Fazia questão, que no dia seguinte, ir mais arrojado que no dia anterior. Apreendi que há pessoas más por si só e pessoas incrivelmente boas. Lá, conheci uma lésbica que… sinto que, poderia ligar-lhe neste momento, se tivesse o numero dela. Uma mulher mais maluca do que eu, mas que no entanto, a melhor funcionária de lá! Temos algo em comum: uma depressão. Ela está em vantagem, visto que namora com a sua psiquiatra! Mas eu, apenas tinha ao meu lado um frasco meio-cheio de Fluoxtina. Fluoxtina essa, que faço paragens, por incompreender a sua toma e (ainda) necessidade. Quando “se acabou”, tive de tomar 4 colheres de fluoxtina, um vitan e 3 drageias de melatonina 5mg/cada e uns 4 Ferroro’s Rocher.

A nível académico: não tenho Bolsa e não tenho dinheiro para a Faculdade. Cá Ando, por esta casa. Sinto necessidade de ter uma rotina de sair de casa. Neste momento, não sei o que fazer, nem para onde me hei-de virar. Parece que, nenhum caminho se fará andando e que, já não há esperança. Tenho um desejo para o meu dia de amanhã: Ir à paria Grande, em Albufeira e puder andar naquele areal, ouvindo esta musica. Queria que a praia tivesse deserta e eu, perto da agua, caminhando… Sei que, os desejos não se cumprem, mas, fica registado este, para um dia, quem sabe, vir a realizar.


“Quem virá p’rá te ensinar a voar, a voar?”
(O link deste texto foi enviado ao meu último psicólogo. Ao que provavelmente, melhor me fez sentir e que, mais dedicação teve. Se ele o ler, para mim seria uma honra. Caso não o leia… tentei).

Beijos!