Até 27 de Outubro, participa por e-mail, no passatempo "The Lingerie Restaurant", serão oferecidos 2 jantares duplos: um em Lisboa, e outro no Porto! Boa sorte!

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Podemos ser Israel

Olá!

Acho que é altura de fazer um ponto de situação do que tem havido por aí pois, a quente, nunca se tomam boas decisões.

A Europa, tem sido atacada em nome de extermínios de alguns e, em nome de uma religião de muitos. Primeiro, temos de separar o fanatismo, da religião. Depois, temos de perceber qual o objectivo dos terroristas - sim, é abalar a Europa, instalando o caos. Ao mesmo tempo, temos uma fluxo migratório enorme, que tem como alvo a Europa e, concretamente, os países ricos. Temos também, a ascensão dos partidos extremistas (de esquerda e direita) que, se tornam facilmente populares. Mas devemos duvidar de tudo isto e perguntar:

O que somos?
Até que pontos somos civilizados, humanistas e livres de preconceitos?

Podemos ver estas questões numa perspectiva humanista ou numa perspectiva... idiota!
Factos: A Europa não tem nenhum rumo, nem objectivo definido e isso torna-a fraca. Com o TTIP (USA & EU), as coisas ficarão muito mais graves (ouvir Vital Moreira, do PS, não me tranquiliza nada)! Os países soberanos, têm "gestão de sobrevivência" eleitoral nos seus países e, não querem tomar posições contra o eleitor que, assim, todas as medidas boas que eles tomam é em seu nome próprio e, as decisões desagraváveis, os decisões políticos culpam a Europa - deste modo, a Europa começa a ser um fardo pouco desejável, aos olhos dos cidadãos.

O que é a solidariedade?
Até onde nos conseguimos pôr, verdadeiramente, no lugar do outro?

É tão fácil cair na hipocrisia, quando não se tem noção de se ser um privilegiado. "Não têm pão? Comam bolos!", é o que muita gente pensa, e faz. A origem do motivo da migração que chegou à Europa é seríssima mas, na realidade, acabou por cair numa banalidade mórbida, quando já nem queríamos saber quantos barcos naufragavam aqui, mesmo ao nosso lado.
Sim, é verdade - a Europa não pode ajudar todos que vieram.
Sim, também é verdade - a Europa tem de ajudar. Mas como?

Não é preciso ser-se doutorado para se perceber o que nos rodeia - a História é cíclica e, os velhos medos e pretensões, nunca se esfumaram. A Europa vive numa crise, mais do que ideológica, é doutrinaria - e, com este impasse, alguém se chegará à frente (só espero que não seja um extremista).
Cada vez mais penso se é bom ficar na União Europeia... O espaço schengen é óptimo mas... e o resto? Já aquando do referendo Grego, tinha dito que era a favor da saída e, continuo-o a dizê-lo. Acho que devem começar a serem aplicadas as vontades dos eleitores europeus. Curioso, ou não, em Portugal nunca houve um referendo sobre a União Europeia - do que os políticos têm medo? No Reino Unido está para breve um referendo - tomara que haja alguma esperança!

Devemos todos pensar o que aconteceu na 2ª Guerra Mundial e, como os seus preconceitos, estão tão presentes em 2016.

Que futuro se avizinha? Devemos ter noção que, os ódios deste velho continente, estão vivos e andam por aí.

E porque esta música (para além de me fazer chorar), é lindíssima.
Devemos todos reflectir um pouco. Nada, ou nenhum direito, é para sempre.




Beijinhos e portem-se mal!! ;)