Em Setembro: MOTELX lê as entrevistas EXCLUSIVAS aos realizadores São José Correia (Portugal), John McPhail (Escócia) e Yann Gonzalez (França)! =D

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Centenário da Revolução Russa

Boa noite.

Este mês, comemora-se os 100 anos da Revolução Bolchevique. Não vou, como é óbvio, fazer uma dissertação sobre o tema até porque, basta irem à wikipédia para saberem o que se passou (hoje em dia há uma coisa chamada Internet, onde podem aprender coisas incríveis!). Bom, mas não obstante do facto de vocês irem pesquisar à net, vou fazer um resumé do que se passou, dando a minha opinião (aproveito e falarei do presente: do campo de concentração para gays na Tchetchénia).
A família imperial russa dos Romanov (Czar Nicolau II e família)
Amo a história russa e, com isso, fiquei bastante triste quando aprendi, na escola, que a família monárquica russa, tinha sido extinta de uma forma cruel e... definitiva.................. =(

Mas tudo começou pelo o início: a população estava insatisfeita. Mas porquê?
Tudo começou no chamado "Domingo Sangrento" (em 1905) - onde mais de mil pessoas foram mortas (e outras tantas feridas), pela Guarda Imperial, quando estas iam ao Palácio de Inverno, entregar uma petição a exigir melhores condições de vida, o fim da Guerra contra o Japão, e o sufrágio universal.

Em virtude destes factos, a monarquia ia perdendo aliados.
Vivia-se num tempo de crise: a Rússia tinha trocado o feudalismo pelo capitalismo; vivia-se a 1ª Guerra Mundial (até 1918) e a população estava insatisfeita; havia fome e miséria.

Assim, naturalmente, ocorreu um processo revolucionário, que viria a dar origem ao socialismo (não sem antes ter havido uma guerra civil entre 1918 e 1921, onde havia o Exército Vermelho [revolucionários] e o Exército Branco [contra-revolucionários]). Contudo, Lenine, não era o único da sua família a querer matar o Czar... já o seu irmão tinha tentado matar o Czar Alexandre III, pai do Czar Nicolau II (há com cada família desestrutura... chiça!!)! Assim, a Rússia, tornava-se o 1º país comunista, não sem antes ter como líder o Stalin, que não se chamava Stalin (mudou o nome), mas que significa "homem de aço" (e o homem, só para que saibam, era georgiano, e falava mal russo...).

Visto que faz 100 anos da Revolução que viria a dar origem ao regime político que vigora na Rússia, o comunismo, importa reflectir um pouco (mas mesmo pouco, porque isto de reflectir cansa, e dá fome a uma pessoa!) sobre o Rússia na 2ª Guerra Mundial, o caso da Crimeia (na Ucrânia), as ligações com Donald Trump, e o campo de concentração para homossexuais.

Foi graças ao Exército Vermelho, que se venceu a 2ª Guerra Mundial (lado oriental) e, com isso, pôs fim ao sofrimento deste velho continente, e ao massacre de milhões de homens e mulheres.

Com a canção vencedora da Eurovisão de 2016, deu-se voz à situação já sabida por todos: a invasão russa na Crimeia. Contudo, a União Europeia, (ainda) continua sem tomar qualquer posição de força...

Não se sabe, comprovadamente, que a Rússia tenha ajudado à eleição de Donald Trump mas, uma coisa é certa: O Putin sabe o que quer, e não é a amizade com os Estados Unidos - isto vai correr mal.

Existem, campos de concentração, para homossexuais. A comunidade internacional, nada faz. A inoperacionalidade deve-se ao facto de serem gays e, de estarem no leste da Europa. Há gays de segunda (pelos vistos). Se existe lóbi gay, onde está ele agora? Há que ter cuidado com o futuro... =(


Fiquem com a canção anti-fascista do Exército Vermelho (morreram 29 milhões de russos na 2ª GM)




Beijinhos e portem-se mal!! ;)

P.S. - Faz amanhã 50 anos, que mais de 700 pessoas morreram em Lisboa, vítimas das cheias!