Em Setembro: lê as entrevistas EXCLUSIVAS aos realizadores Miguel Gonçalves Mendes, Gonçalo Almeida e ainda ao Director do MOTELX Pedro Souto! =D

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

Frei Luís de Sousa

Olá!

Têm ido ao teatro? Claro que sim! Hoje venho falar-vos de um drama. Não, não é um drama qualquer. É o Senhor Drama! O maior drama teatral português! O Drama! Aquele drama! A estória que todos chorámos no final! Até no Worst Of, recriou a parte final de... Frei Luís de Sousa! Lembram-se? =)
Madalena - Meu Deus, meu Deus!... Ai, e o retrato de meu marido!... Salvem-me aquele retrato!
Acto Segundo, Cena XV
Jorge e o Romeiro, que seguiu Madalena com os olhos, e está alçado no meio da casa, com aspecto severo e tremendo
Jorge - Romeiro, Romeiro! quem és tu?
Romeiro (apontando com o bordão para o retrato de D. João de Portugal) -
Ninguém!
(Frei Jorge cai prostrado no chão, com os braços estendidos, diante da tribuna. O pano cai lentamente.)
Madalena - Oh, Telmo! Deus te perdoe o mal que me fazes. (desata a chorar)
Este texto, do Pai do Teatro Português, Almeida Garrett, é obra obrigatória no 11º ano. Já em 2011, tinha aqui referido, como o grande final desta peça, tinha-me marcado! Passado 4 anos, em 2015, aquando dos Exames Nacionais, no Exame de 2ª fase de Português, saiu... Frei Luís de Sousa!!!
Madalena - Mas, oh! esposo da minha alma... para aquela casa não, não me leves para aquela casa.
Cinco outras curiosidades:
> 21 anos de ausência (3[número perfeito]x7[tragédia]=21... tragédia perfeita) do ex...! xD
> Madalena não quer ir para a casa que pega com S. Paulo, sente que o ex pode voltar (spoiler: ups)!
> Si iniquitates observaveris, Domine; Domine, quis sustinebit? (adoroo o coro e as suas frases... *.* )
> Manuel, referindo-se a Maria, sua filha - A lançar sangue?... Se ela deitou o do coração!... não tem mais. Naquele corpo tão franzino, tão delgado, que mais sangue há-de haver? Tadita da Maria.... =(
> Maria estava sempre cheia de febre (murchava as papoilas), ouvido de tísica... (spoiler: ela morre)!
Maria - O que eu sou... só eu sei, minha mãe... E não sei, não, não sei nada, senão que o que devia ser não sou...
Caso ainda não tenham percebido... eu GOSTO desta estória! Acho tudo tão definitivo, tão gay, tão real, tão emotivo, tão verdade, tão kármico, tão estudioso, tão démodé, tão intemporal, tão temporal, tão teatral, tão histórico, tão cristão, tão descritivo, tão... português! É patriotismo. E eu AMO Portugal!
Conversa com os artistas após o espectáculo
Relativamente à peça: achei-a realmente muito boa. Quando lemos este texto, na escola e, tal como eu, vê-se os filmes (Frei Luís de Sousa, de António Lopes Ribeiro, de 1950 e Quem És Tu?, de João Botelho, de 2001), já dá para ter uma ideia do que se trata. Mas ver em teatro... estava empolgado!
Não esquecer, que esta encenação acontece mais de 150 anos da peça ser publicada e... para os mais distraídos, esta peça inaugurou o Teatro Nacional D. Maria II, o que naturalmente, atribuiu-se o nome da sala ao autor (a casa dele, no Porto, ardeu) da primeira peça ali desempenhada. Go Garrett!
Frei Luís de Sousa | No Teatro Nacional D. Maria II e Livro que usei no 11º ano
O primeiro ponto positivo foi... manter-se o texto original (e eu gosto disso!)! Depois, a escolha dos actores, foi muito bem feita (principalmente [ou, unicamente] a actriz que interpretou a Maria, a Carolina Amaral). E os figurinos foram criados pelo José António Tenente. Tudo cinco estrelas!

Porque o teatro tem de ser vivido. Intensamente. Espiritualmente. Frequentemente. Obrigatoriamente!




Beijinhos e portem-te mal!! ;)

Sem comentários:

Publicar um comentário