Em Setembro, há NOVIDADES! Nova Parceria, Passatempos, e o início das inscrições de mais um evento da blogosfera portuguesa! =D

sexta-feira, 20 de março de 2009

Acabou!

Bem, algum dia tinha que acabar!?!?... Falo da “pressão”! Acabou tudo. Estou livre loool !! Bem, vou-vos contar (dá jeito… lol) Foi assim, de manhã, fiz o teste de C.F-Q. (acho que percebem, mas quem não perceber diga, que digo o que é lol), e no fim, quando deu o toque, a minha D.T. ( que é minha professora de C.F.-Q.), perguntou-me “Está tudo bem?” Ela referia-se ao tal “projecto”, mas eu fiz-me de burro e respondi “Sim, e consigo?” ela voltou a perguntar “Sobre aquilo, está tudo bem?” E eu disse que sim, mas sim, não é resposta, ou menos não é a resposta que ela queria. Um colega meu chamou-a por causa de uma dúvida e foi, o momento ideal para ir-me embora. No intervalo, falei com uns colegas, sobre a “pressão que estávamos a levar” e arranjamos novos “planos”. Quando deu o toque de entrada, ao sair da sala de convívio ou refeitório ou bar ou discoteca ou etc (depois conto-vos, mas aquele sitio serve para tudo lol), e perto da reprografia, quem é que vi de “caras”…. a minha D.T.! Chamou-me logo (acho que andava à minha procura) e começou com a mesma conversa “Então, já tens uma resposta?” Eu voltei a dizer que não. Que não tinha porque, ontem quando tivemos a fazer a faixa, não houve muito tempo para falar desse assunto, até porque em vez de fazer-mos duas, fizemos só uma! E assim, a falar… ela dizia que, se for preciso, vai a minha casa e prende-me a uma cadeira! E se for necessário, telefona para os meus pais a contar tudo! A mim, e aos meus colegas. Não levai a conversa muito a sério. Ela disse que ia telefonar para a minha professora de Historia, para saber a opinião dela sobre esse assunto. Lá fui para a aula, fui o ultimo a chegar e cheguei muito tarde! A aula “corria bem” até que…. Apareceu a minha professora de Português! Vocês devem estar a pensar “O que é que tem isso a ver com a história? Nada!” Pois bem, foi o que eu também pensei! Mas ela disse “Desculpa, I. (nome da prof. de Inglês), mas preciso de uns homens para carregar com umas coisas, podem ser três… até já sei quais são o adolescente gay, o RC e o MC. Percebi logo qual era o assunto! Só podia ser um “o projecto”!! Quando saímos da sala, vi sentada a minha D.T., numa secretaria e ela ia começar a falar, mas a de L.P. disse que era melhor falar-mos lá fora (no pátio), com calma. Ok, fiquei nervoso (lool). Junto de um morro, começamos a falar (nós os cinco) começou a de L.P. a dizer que a S.A. (minha D.T.), não precisa de advogados, mas que ali ela estava numa situação crítica, porque a S.A. desabafou com ela, com as preocupações (pois, pois a S.A. desabafou com duas professoras, sem o meu consentimento, porque afinal de contas, era um segredo de confiança! E são duas professoras que nunca contar isto) e anda muito nervosa (e anda mesmo) e blá blá blá (sim, era uma advogada)Tentou demover-nos! Elas deram exemplos, que as vezes temos que quebrar com os nossos “compromissos” para o bem de alguém bla bla bla e por duas vezes minha D.T. ia começar a chorar! E isso não queria e nem conseguia ver! Gosto demasiado dela para a ver chorar. Então, já no fim, ela queria as nossas respostas, o RC cedeu; o MC cedeu; mas faltava eu! Perguntei-lhe se não poderia reflectir e que mais logo lhe mandaria uma mensagem, visto que tenho o seu e-mail. Ela disse que não. Tinha que saber a gora, se não ia ao Conselho Executivo contar tudo e depois eles tomariam as providencias necessárias para que tudo corresse bem, no dia “tal”. Quando ia começar a falar, começaram a deitar giz para nós ( do 1º anda) e ela diz logo “Quem foi? Qual é a turma?” E depois a tiraram outro e ela saiu disparada a correr a entrar no pavilhão ai vi algo triste. Nunca esperei ver ela tão desorientada, nesses segundos vi que tinha que a ajudar, o simples correr dela não era “normal”, não que tivesse piada, mas sim porque era triste. Ela mostrava que não tinha força nem para correr cinco metros. Quase chorei. E disse de imediato à minha professora de L.P. que não ia haver nada, por causa da D.T.. Ela agradeceu muito, visto que ela não se encontra bem. Quando chegou e a de L.P. contou-lhe a minha decisão ela deu um suspiro magnífico, que me fez senti bem, porque ajudei alguém. E fomo-nos embora(nós os 3). A conversa não foi só isto, a conversa foi cerca de 20 minutos. Elas contaram muita coisa pessoal e nós ouvimos com muita pena. Percebi que, apesar de uma amiga trair a nossa confiança (foi o caso), se nós gostar-mos mesmo dela, deve-mos (apesar de tudo) ajuda-la. Ela traiu a minha confiança professor-aluno. Mas eu cumpri a minha aluno-professor. Fiquei muito tempo da tarde de hoje a pensar nisso. É triste, mas é a vida.
Beijinhos!!